Atenção! Este website utiliza cookies e/ou tecnologias similares.

Se continua a utilizar o nosso website, está de acordo com esta política.

Compreendi
Aviso Metereológico
meteo Amarelo

Com início na zona oeste da cidade, o seu primeiro núcleo, inaugurado em Agosto de 1993, ficando conhecido por Jardins do Lido, ocupa uma área de 11500 m2 entre a Rua do Gorgulho e a Praça da Região Autónoma da Madeira.

O grande relvado central é muito procurado para jogos e brincadeiras. As árvores posicionam-se na interface da área relvada com amplos passeios circundantes. Uma das espécies aqui existentes é mesmo conhecida por bela sombra (Phytolaca dioica) árvore oriunda da América do Sul e que atinge 20 metros de altura quando adulta.

Da flora da Madeira temos o dragoeiro (Dracaena draco), o barbosano (Apollonias barbujana) e a faia das ilhas (Myrica faya).

De outros cantos do mundo vieram a palmeira das canárias (Phoenix canariensis) a whashingtónia (Washingtonia filifera) o Coqueiro (Cocus nucifera) o coqueiro de jardim (Arecastrum romanzoffianum) a Mélia (Melia azedarach) a Ficus iyrata, a acácia rubra (Delonix regia) a canforeira (Cinnamomum camphora) a nolina (Nolina recurvata) a casuarina (Casuarina equisetifolia) a tipuana (Tipuana tipu) o mangueiro (Mangifera indica) a coralina crista de galo (Erythrina Crista-galli) a coralina da Abissínia (Erythrina abyssinia) o salgueiro chorão (Salix babylonica) a figueira da Índia (Ficus benjamina), entre outras.

A promenade, zona pedonal que percorre toda a extensão desde a Praça da Região Autónoma da Madeira passa pela Estação de Biologia Marinha, pelo Complexo da Ponta Gorda, indo até à Ponta da Cruz, onde se incluí o Buraco do Fojo.

Ao longo deste passeio foram plantadas tamareiras (Phoenix dactylífera) e instalados bancos que permitem descansar desfrutar da vista sobre o mar e apreciar os jardins que se estendem até à falésia.

Na criação deste passeio houve a preocupação de associar de forma harmoniosa espécies de flora madeirense com plantas exóticas. Os relvados estão pigmentados de árvores e arbustos indígenas – tis, (Ocotea foetens) barbosanos (Apollonias Barbujana), dragoreiro (Dracaena draco), marmulanos (Sideroxylon marmulano) massarocos (Echium nervosum) estreleiras (Argyranthemum pinnatifidum), figueira do inferno (Euphorbia piscatoria) – e espécies exoticas – palmeiras das canárias (Phoenix canariensis) eucaliptos (Eucalyptus globulus e Eucaliptus ficifolia), nolinas (Nolina recurvata), tipuana (Tipuana tipu), metrosíderos (Metrosideus excelsus) figueiras (Ficus carica) nespereiras(Eriobotrya japonica) pitangueiras (Eugenia uniflora) abacateiras (Persia americana) tamargueiras (Tamarix gallica) abélia (Grandiflora sp) cevadilhas (Nerium oleander) cardeas ( Hibiscus rosa - sinensis) acalifas (Aclypha wilkesiana) roseiras (Rosa sp.) lantanas (Lantana camara).

Nos taludes e na arriba litoral, herbáceas e trepadeiras formam manchas coloridas e suportam as terras. As bunganvílias vermelhas e roxas (Boungainvillea sp. ) contracenam com os jasmineiros amarelos ( Jasminum odoratissimum) os plumbagos azuis (Plumbago auriculata) os bálsamos com pétalas de um intenso rosa (Lampranthus sp) os arrozinhos (Drosanthemum floribundum)e os funchos (Forniculum vulgare) que estiveram na origem do nome da cidade que possui estes jardins.

dezembro 2017
Sb D
27 28 29 30 1 2 3
4 5 6 7 8 9 10
11 12 13 14 15 16 17
18 19 20 21 22 23 24
25 26 27 28 29 30 31

pay-methods